18 de novembro de 2020

Turucutá lança ‘Nosso Ylè’, seu primeiro single

Gravada durante a pandemia com cada integrante em sua casa, a música traz a alegoria da poética urbana carnavalesca presente no grupo

Música

O grupo Turucutá acaba de lançar seu primeiro single, ‘Nosso Ylè’, já nas plataformas digitais. Em dezembro será lançado o clipe. “Nosso Ylè quer mostrar alegoricamente uma poética urbana carnavalesca. Seja pelas cores, por sua performance, ou pela certeza de manter vivo o sentimento do carnaval em cada um de nós”, afirmam os integrantes da batucada coletiva.

Ylè, na língua dos povos Yorùbá, da Costa Ocidental Africana, que contribuíram para a formação da cultura brasileira a partir da diáspora, significa casa, lar. Nada mais afinado com o amor que os integrantes desse grande coletivo têm por seu fazer artístico e suas casas. As casas que os abrigam ao longo de toda essa trajetória, como a Imperadores do Samba, o Afro-Sul Odomode, a Acadêmicos da Orgia e principalmente a rua, onde a participação popular concretiza o sonho e faz acontecer a celebração.

Aqui, o significado de Ylè se amplia e faz alusão à tradição do carnaval presente em todos nós. “É o reconhecimento do lugar da escola de samba como exemplo de quilombo urbano que pulsa tensões e paixões a todo o momento, para, ao fim, desfilar pela avenida a luta, a história e a alegria de uma comunidade”, afirma Vini Silva. “As quadras de ensaio são legítimos lugares de encontro dessa arte. São lar de grandes artistas, poetas, dançarinos, compositores e a Turu, em seu primeiro lançamento fonográfico, avança um passo em direção ao futuro sem esquecer homens e mulheres que vieram antes e fizeram da sua história motivo de celebração, amor e resistência”, complementa.

A letra da canção revela a alma de uma pessoa comum e sua relação com a própria casa. Mas, simbolicamente, remete a um lugar de poder e vida, cultivado por memórias e afetos. Em Nosso Ylè está presente a ideia de que a música brasileira se mantém  viva pelo asfalto quente dos grandes conglomerados urbanos, mas sem perder de vista a estética carnavalesca, com o olhar sempre atento e irreverente de eternos foliões.

A Turucutá Batucada Coletiva Independente é um coletivo nascido na rua que tem como fio condutor o amor ao carnaval. O interesse pela pesquisa das possibilidades rítmicas que a percussão brasileira propõe foi o primeiro impulso para a criação musical do grupo. Surdos, caixas, repiniques, tamborins, chocalhos e agogôs dão o ritmo e formam sua matéria prima musical, mas a paixão pelo carnaval misturou outras referências estéticas e musicais ao longo dos anos, fazendo os sons do Brasil fervilharem nesse caldeirão cheio de tempero e sabor que a banda propõe.

O Centro Cultural Afro-Sul Odomode e as escolas de samba Acadêmicos da Orgia e Imperadores do Samba deram guarida ao nascimento e desenvolvimento do grupo, que foi crescendo pelas ruas e achando uma maneira bem particular e emotiva de se comunicar com o público. Neste ano de 2020, ano da COVID 19 e do isolamento social que está atingindo toda a população mundial, a Turu completa 12 anos de trajetória e, para celebrar, reuniu – ainda que de forma remota – seus integrantes. O resultado poderá ser conferido em Nosso Ylè, que traz a força da percussão e a delicadeza de linhas de sopro combinadas com vocais melódicos carregados com a herança musical afro-gaúcha.

Escute aqui.

Ficha técnica

Surdos: Ananda Aliardi e Ian Angeli
Caixa: Maurício Dorneles
Repiniques: Amadeu Medina
Agogô: Luciana Bastos
Xequerê/Ganzá: Lívia Haeser
Conga e efeitos: Vini Silva

Cavaco/ Violão : Rodrigo Fontoura
Trombone: Martin Weiler
Sax / flauta: Tales Melati
Trompete: Sant Anna
Sintetizador e efeitos: João Pedro Cé

Vozes: Camila Falcão e Deco Bayan

Produção Musical: Rodrigo Fontoura e Vini Silva
Mixagem: Rodrigo Fontoura e Vini Silva
Masterização: João Pedro Cé

Arte da capa: Ananda Aliardi

 

 

Compartilhe
GALERIA DE FOTOS