02 de setembro de 2020

Unimúsica 2020: Conheça as artistas da edição ‘Forrobodó - quando elas tocam’

Projeto musical da Universidade Federal do Rio Grande do Sul acontece em setembro, de forma virtual

Música

Cinco noites de shows, cinco artistas por dia, 25 mulheres instrumentistas. Assim será o Unimúsica deste 2020, que se mantém firme no calendário cultural do país, mas adaptado aos desafios impostos pela pandemia do coronavírus. O festival realizado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, via Departamento de Difusão Cultural (DDC), terá, de 14 a 18 de setembro, cinco noites de música feita por mulheres instrumentistas, em uma ebulição da diversidade sonora - um mosaico de artistas com instrumentos, referências e origens diversas. 

Pela primeira vez online, um dos projetos musicais mais antigos do país buscou com a curadoria de Ana Fridman, Ana Laura Freitas, Marta Schmitt e Nanni Rios, além de Lígia Petrucci - coordenadora e curadora sempre presente -, uma mostra do que tem sido produzido musicalmente por mulheres artistas. E é, de fato, de uma qualidade e diversidade impressionante, ainda que nem sempre acessível fora dos circuitos e núcleos. “Se essa é uma realidade que atinge muitas das categorias do mundo musical, ela afeta de forma avassaladora o trabalho das mulheres instrumentistas, cuja produção permanece na invisibilidade – até mesmo para seus colegas de ofício”, afirma a coordenação do evento. É justamente para alargar o acesso à obra de artistas representativos da cultura musical brasileira que nasce o Unimúsica, em shows gratuitos e de grande qualidade. 

Confira as artistas que participam da edição  ‘Forrobodó - quando elas tocam’:

Primeira noite - 14/09 

Alzira E (violão, voz, guitarra, craviola)
Campo Grande | São Paulo

violonista, craviolista, cantora e compositora nascida em Campo Grande. Radicada em São Paulo, foi figura importante da vanguarda paulista. Deu início a carreira profissional com seus irmãos : Tetê Espíndola, Geraldo Espíndola e Celito Espíndola, no lançamento do LP Tetê e o Lírio Selvagem (1978/ 80). Sua música é caracterizada por uma fusão de gêneros regionais pantaneiros com tendências urbanas modernas. Tem 7 discos gravados.

Josyara (violão, voz) 
Juazeiro | São Paulo

cantora, violonista e compositora baiana nascida em Juazeiro. Em 2012, lançou o disco Uni Versos, com patrocínio da Petrobras. Em 2018, com patrocínio da Natura Musical, lançou o seu segundo álbum, Mansa Fúria, composto por 12 canções autorais. Nesses trabalhos apresenta suas raízes do sertão baiano, combinando voz, um violão percussivo e texturas eletrônicas.

Joana Cavalcante (percussão, voz)
Recife

nascida em Recife, é conhecida como a primeira e única mestra de uma nação de Maracatu de baque virado da história. Lidera a Nação do Maracatu Encanto do Pina e é fundadora do grupo Maracatu Baque Mulher.

Lívia Mattos (acordeom, voz)
Salvador | São Paulo

acordeonista e compositora, tem forte vínculo com as tradições circenses e utiliza seu instrumento como recurso cênico em suas performances. Transita por influências cosmopolitas e regionais, apropriando-se do lirismo seresteiro, do baile caribenho, assim como de referências musicais que remetem ao universo circense e nordestino. Atualmente acompanha o cantor e compositor Chico César.

Nina Fola (sopapo, voz)
Porto Alegre

percussionista e cantora, é integrante do grupo AfroEntes e mestra em Sociologia pela UFRGS. É vinculada à tradição afro-gaúcha do sopapo e traz uma prática musical integrada a suas vertentes de pesquisa, espiritualidade e militância.

 

Segunda noite - 15/09

Simone Sou (percussão, bateria)
São Paulo

percussionista, baterista e compositora nascida em São Paulo. Ex-integrante do grupo Orquídeas do Brasil, que acompanhava Itamar Assumpção, já acompanhou em shows e gravações nomes como Chico César, Jards Macalé, Elza Soares e Elba Ramalho. Conta também com dois discos em carreira solo.

Lilian Nakahodo (piano, sintetizadores)
Curitiba

pianista, pesquisadora, compositora e editora de áudio nascida em Curitiba. Sua pesquisa e produção enfocam paisagens sonoras, como o Mapa Sonoro de Curitiba, e composições eletroacústicas.

Maria Beraldo (clarinete, guitarra, voz) 
Florianópolis | São Paulo

cantora, compositora e clarinetista, Beraldo faz parte do time de artistas do Selo RISCO. É uma das fundadoras da banda Quartabê. Recebeu atenção midiática ao integrar a banda do músico Arrigo Barnabé e tocar com Elza Soares. Em 2018, lançou seu álbum de estreia, Cavala.

Clarice Assad (piano, voz)
Rio de Janeiro | São Francisco

compositora, pianista, arranjadora e cantora. Faz parte de uma família de músicos cuja contribuição para a cultura brasileira é de grande relevância: é filha de Sérgio Assad e sobrinha de Odair e Badi Assad. As composições de Clarice incluem peças para uma variedade de instrumentações, incluindo obras para piano, violão, bem como um repertório para conjuntos de câmara e obras orquestrais.

Ange Bazzani (fagote)
Bucaramanga | Porto Alegre

nascida em Bucaramanga, na Colômbia, já atuou como segundo fagote e contrafagote da OSESP. Em 2016 foi aprovada como fagotista da orquestra Sinfônica Nacional da Colômbia e, em 2017, na OSMG. No mesmo ano, foi selecionada para integrar a OSPA e se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo de fagote solista em quase sete décadas de história orquestra.

Terceira noite - 16/09

Cristina Braga (harpa)
Rio de Janeiro

harpista carioca, é celebrada como o maior nome e principal divulgadora de seu instrumento no Brasil. Começou sua carreira artística como solista da OSB e da Orquestra Sinfônica Pró-Música da Petrobras. Hoje ocupa o cargo de primeira harpista da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Atuando tanto no campo da música erudita como na música popular, conduz também carreira solo, com 7 discos em seu nome.

Léa Freire (flauta, piano)
São Paulo

flautista, compositora e arranjadora, iniciou seus estudos de piano aos 7 anos. Gravou seu primeiro disco autoral, Ninhal (1997), em parceria com a cantora e violonista Joyce. No mesmo ano, fundou o selo Maritaca, dedicado à produção de música instrumental brasileira. Na flauta, Léa Freire dá continuidade a uma tradição brasileira, que abarca os instrumentos indígenas, o pífano nordestino, o choro urbano.

Gabriela Vilanova (viola)
Porto Alegre

violista na Ospa desde 2009, já integrou várias orquestras do Estado e foi líder de naipe da Unisinos Anchieta e do Theatro São Pedro. Foi também professora no curso de extensão em instrumentos da UFRGS, nos projetos Vida com Arte da Unisinos e na Orquestra Villa-Lobos. Atualmente integra a Camerata Pampeana, grupo vencedor dos prêmios Açorianos e Natura Musical. 

Carol Panesi (flugelhorn, piano, violino)
Rio de Janeiro

arranjadora e multi-instrumentista carioca, especializada em instrumentos como o violino, o flugelhorn e o piano. Integrou durante treze anos a Itiberê Orquestra Família e Itiberê Zwarg & Grupo. Deu início a sua carreira solo em 2017, com o disco Primeiras Impressões, que conquistou o Prêmio Profissionais da Música 2018, na categoria autora, e o Prêmio MIMO Instrumental 2018.

Mariá Portugal (bateria, MPC)
São Paulo | Berlim

baterista e compositora, formada em composição pela UNESP, Mariá tem 18 anos de carreira. Já se apresentou ao lado de Arrigo Barnabé, Elza Soares, Benjamin Taubkin, Ava Rocha, Zelia Duncan. Além de integrar a Quartabê, dedica-se à criação de trilhas originais para dança, teatro, vídeo e cinema.

Quarta noite - 17/09

Lucinha Turnbull (guitarra, violão, voz)
São Paulo

cantora, compositora e guitarrista nascida em São Paulo. Foi a primeira mulher a tocar guitarra no Brasil, tendo colaborado com Rita Lee em diversas formações e participado de discos como Refavela, de Gilberto Gil, e Cinema Transcendental, de Caetano Veloso.

Natália Carrera (guitarra, sintetizadores)
Rio de Janeiro

guitarrista e produtora, conhecida por suas colaborações com Letícia Letrux, tendo gravado e produzido os discos Letrux em Noite de Climão e Letrux aos Prantos.

Bianca Gismonti (piano)
Rio de Janeiro

filha do violonista, pianista e compositor Egberto Gismonti, iniciou seus estudos de piano aos 9 anos, já se apresentando internacionalmente com seu pai aos 15. Atualmente, conduz paralelamente sua carreira solo, o Bianca Gismonti Trio e o Duo Gisbranco, com a pianista Cláudia Castelo Branco.

Denise Fontoura (saxofone, flauta, voz)
Porto Alegre

saxofonista, flautista e cantora nascida em Porto Alegre e radicada em Viena durante anos. Foi uma das primeiras saxofonistas de Porto Alegre e está lançando seu primeiro disco solo.

Ana Karina Sebastião (contrabaixo elétrico)
São Paulo

contrabaixista, já integrou o grupo Quartabê e acompanha hoje nomes como Chico César, Arrigo Barnabé e Filipe Catto, integrando também o programa de TV Conversa com Bial.

Quinta noite - 18/09

Ayelén Pais (bandoneon)
Jacinto Aráuz | Buenos Aires

bandoneonista nascida em Jacinto Aráuz, na Argentina. Integrou grupos como Orquesta Típica La Vidú, Quinteto Fané, Quinteto Barrio Tinto, o grupo feminino de tango China Cruel e o grupo Tango al Límite, com quem percorreu o Brasil em 2011.

Renata Rosa (rabeca, voz)
São Paulo | Recife

cantora, compositora, rabequeira, poeta, atriz e pesquisadora paulista radicada em Recife. Recebeu o Choc de l'Année 2004, maior prêmio da Música do Mundo concedido pela revista Le Monde de la Musique, por seu primeiro CD, Zunido da Mata, e o Prêmio da Música Brasileira 2009 como Melhor Cantora Regional por seu segundo álbum, Manto dos Sonhos.

Joana Queiroz (clarinete, clarone, saxofone, voz)
Rio de Janeiro | São Paulo

musicista e compositora carioca, tem como principais instrumentos o clarinete, o clarone, e o saxofone. Tem participado de diversos projetos no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em São Paulo ao longo da última década, principalmente no meio da música instrumental. Integrante do grupo Quartabê, atuou durante quase dez anos na Itiberê Orquestra Família.

Simone Rasslan (piano, voz)
Dourados | Porto Alegre

pianista, cantora, atriz, compositora, regente e educadora musical nascida em Dourados e radicada em Porto Alegre. Já compôs e executou trilhas sonoras para diversas peças de teatro, além de idealizar o musical Rádio Esmeralda, juntamente a Adriana Marques e Hique Gomez, que circulou nacionalmente durante 9 anos. É vencedora de dois prêmios Açorianos, nas categorias Cantora Revelação MPB e Trilha Sonora Original.

Maíra Freitas (piano, voz) 
Rio de Janeiro 

filha do compositor e sambista Martinho da Vila, Maíra graduou-se em música clássica pela Escola de Música da UFRJ, com ênfase em piano. Como concertista já tocou em palcos do Brasil e do exterior. Lançou em 2015 seu segundo disco, Piano e Batucada, com repertório majoritariamente autoral e popular, unindo sua formação erudita à tradição do samba.

Compartilhe
GALERIA DE FOTOS