15 de abril de 2019

Sala Eduardo Hirtz, na Casa de Cultura Mario Quintana, reabre no dia 17 de abril 

Espaço da Cinemateca Paulo Amorim foi revitalizado

Cinema

Depois de três meses de reformas, a Sala Eduardo Hirtz será reaberta no dia 17 de abril, com uma sessão para convidados.  A Sala Eduardo Hirtz é um dos três cinemas (junto com as salas Paulo Amorim e Norberto Lubisco) que formam a Cinemateca Paulo Amorim – Espaço Banrisul de Cinema, instituição ligada a Secretaria de Estado da Cultura (Sedac).

A revitalização da sala de exibição foi realizada pela Associação dos Amigos da Cinemateca Paulo Amorim, com patrocínio do Banrisul, Icatu Seguros e Rio Grande Seguros por meio da Lei Rouanet do Ministério da Cidadania. Silvilene Machado, presidente da AACPA, salienta a importância da obra. “Sabemos que a modernização das salas da Cinemateca Paulo Amorim é uma notícia muito aguardada pela comunidade cultural e, principalmente, pelo nosso público fiel. Optamos por iniciar pela Sala Eduardo Hirtz porque é a sala que exigia as intervenções mais urgentes”, diz. A recuperação da sala foi completa, incluindo digitalização da projeção, troca de poltronas, carpetes e do sistema elétrico e de ar condicionado, além de adequação para as normas de PPCI. A plateia conta com 70 lugares, incluindo uma poltrona para obesos e dois lugares para cadeirantes.

A sessão de reabertura da sala Eduardo Hirtz terá uma participação musical de Bagre e Ernesto Fagundes e a exibição de um episódio da série “Tá no Sangue” (2016), sobre a trajetória da família Fagundes. Outro destaque da noite será a estreia do primeiro capítulo da série “Sonho Americano”, do diretor Paulo Nascimento. A série original, ainda inédita, acompanha o diretor Paulo Nascimento e o ator Leonardo Machado (que morreu em setembro de 2018) durante uma viagem pelos Estados Unidos, quando eles encontraram gaúchos que hoje vivem naquele país.

A partir do dia 18, a sala estará aberta ao público com as estreias dos filmes HAPPY HOUR, de Eduardo Albergaria; AYKA, de Sergey Dvortsevoy; e DECISÃO: ANIQUILAÇÃO, de Aleksandr Aravin.

Compartilhe